A Sociedade Musical Bachiana Brasileira

SMBB - é uma associação civil, de caráter privado, sem fins lucrativos, tornada Bem de Utilidade Pública Federal através do Processo 08000-019379/99-00 de 4/4/2000 do Ministério da Justiça. Seu objetivo é a produção e a realização de atividades de música erudita, tais como: concertos, recitais, óperas, musicais, gravações, festivais, cursos de extensão, assim como seminários de música, aulas e atividades similares, realizados com alto padrão de qualidade e profissionalismo, nos quais todos os recursos auferidos são reinvestidos em prol de novos eventos musicais e de seu próprio desenvolvimento e expansão.

O início

Criada em 1986, a SMBB nasceu com o objetivo de difundir a música de J. S. Bach e a de compositores brasileiros. Existiu de fato durante um ano e meio com uma orquestra de 30 instrumentistas e um coro com 48 cantores, tendo suas atividades paralisadas quando seu fundador, o Maestro Ricardo Rocha, foi selecionado pela fundação alemã Konrad Adenauer para uma bolsa de pós-graduação em Regência na Alemanha, nas áreas de concertos sinfônicos e ópera, a partir de 1988. Lá, deu continuidade à esse trabalho criando em 1989 a Bachiana Brasileira Ensemble na cidade de Karlsruhe, com o apoio inicial da Universidade e, depois, da Prefeitura da cidade, para a difusão da Música Brasileira de Concerto através da série anual que fundou com o nome de Brasilianische Musik im Konzert, que prosperou por 11 anos, até o ano 2000, envolvendo grandes orquestras sinfônicas alemãs.

Com o regente de volta ao Brasil, a SMBB foi registrada no dia 10 de outubro de 1993, objetivando dar ênfase especial à difusão da MBC - Música Brasileira de Concerto - e da obra de J. S. Bach, porém entre outras do repertório tradicional e contemporâneo internacional.

A razão do nome SMBB - Sociedade Musical Bachiana Brasileira

Como foi Villa-Lobos quem primeiro percebeu a profunda ligação entre a pulsão da música de J. S. Bach e a da nossa ‘Terra Brasilis‘, desta percepção deixou-nos um legado genial na forma da conhecida série Bachianas Brasileiras, na qual, em nove obras com distintas formações, ofereceu-nos a alma de nosso povo vestida em corpo bachiano. Assim como a música do povo brasileiro encontra profunda afinidade com a música de J. S. Bach, brilhantemente sintetizada por Villa-Lobos nesta série, também os fundadores da SMBB têm grande afinidade com a música de Villa-Lobos e a música de Bach. Daí, a inspiração para o nome da entidade.

Cia. Bachiana Brasileira  

Coro, Orquestra e Solistas

Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro 

Corpo artístico da SMBB, a Cia. Bachiana Brasileira configura a expressão de uma atitude cujas consequências estéticas constituem a sua meta e o seu principal diferencial. Desde 1999, desenvolve projetos com repertório, elenco e tempo de realização definidos para cada produção, buscando, de forma disciplinada e perseverante, uma sonoridade própria na execução da música de concerto, nacional e estrangeira.

 

O alto padrão de qualidade com que executa do colonial brasileiro e barroco europeu à música contemporânea explica a posição ímpar que a Cia. Bachiana Brasileira ocupa hoje no cenário musical brasileiro, como atestam o recebimento do 1º Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro e concertos seus apontados pelo jornal O Globo entre os 10 melhores de cada ano em 2007, 2008 e 2011.

ORATORIO de J S Bach

ORATORIO de J S Bach

Em dezembro de 2012, apresentou, na íntegra e com legendas em português, as 6 cantatas do Oratório de Natal, BWV 248, de J. S. Bach, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Duração : 3h30

Igreja da Candelária – 2011

Igreja da Candelária – 2011

J.S.Bach, Missa em si menor A Bachiana levou mais de mil pessoas à Igreja da Candelária (lotação: 500 lugares) para a apresentação da Missa em si menor, de J. S. Bach

J BRAHMS

J BRAHMS

J. Brahms, Primeira Sinfonia, em dó menor, op. 68, Theatro Municipal, execução eleita pelo jornal O Globo entre as melhores do ano de 2008

XIX Bienal de Música Contemporânea

XIX Bienal de Música Contemporânea

Em outubro de 2011, encerrou a XIX Bienal de Música Brasileira Contemporânea estreando no Rio de Janeiro a Missa de São Nicolau, de Almeida Prado, em concerto que foi apontado como um dos 10 melhores do ano pelo jornal O Globo.

A História do Soldado, de Stravinsky

A História do Soldado, de Stravinsky

Em maio de 2012 remontou, na CAIXA Cultural - Teatro Nelson Rodrigues, a inovadora versão cênico-musical de A História do Soldado, de Igor Stravinsky, estreada em 2010 no Centro Cultural Correios, com camerata de sete solistas e quatro atores, com cenário, figurinos, iluminação e direção cênica de Luiz Duarte.

A História do Soldado, de Stravinsky

A História do Soldado, de Stravinsky

A História do Soldado, de Stravinsky

A História do Soldado, de Stravinsky

Quinta da Boa Vista

Quinta da Boa Vista

No domingo 1 de setembro de 2013, as milhares de pessoas que prestigiaram o evento Rio+Vivo na Quinta da Boa Vista aplaudiram a orquestra da Cia. Bachiana Brasileira, que tocou somente peças de autores nacionais.

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

Abriu a temporada 2014 com 2 récitas da ópera Cavalleria Rusticana, de Pietro Mascagni, no Tëatro João Theotonio – CCCM - RJ - , tendo Clarice Prietto, Rinaldo Leone, Hellen Maximiano, Ciro d’Araújo e Carla Odorizzi como solistas.

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

Cavaleria Rusticana

ELIAS de Mendelssohn

ELIAS de Mendelssohn

Após a montagem integral do oratório Elias, de Mendelssohn em 2009, em convênio com a OSN – Orquestra Sinfônica Nacional/UFF, a obra foi remontada em formato camerístico em julho e novembro de 2013 sob o nome A saga épica de Elias, no Museu da República e no Teatro do Centro Cultural Candido Mendes.

Planetário

Planetário

A Bachiana abriu a temporada 2015 em fevereiro com Ora, Direis, Ouvir Estrelas..., série de concertos mensais na Cúpula do Planetário da Gávea, dando igualmente sequência à série A Lona tem Concerto! em mais cinco repertórios diferentes ao longo do ano.

Lona tem concerto

Lona tem concerto

Em seguida, a série A Lona tem Concerto! com cinco eventos e programas diferentes ao longo do ano, para formação de plateia e difusão da Música de Concerto nas Lonas e Arenas Culturais da periferia da cidade do Rio de Janeiro.

lona1

lona1

Sala Cecilia Meireles

Sala Cecilia Meireles

Na então renovada Sala Cecília Meireles produziu e realizou quatro programas inéditos ao longo de 2015 que geraram enorme interesse e comparecimento do público: - “ESCOLA DE MANNHEIM” - “BACH - HÄNDEL”, um concerto pelos 330 anos de nascimento de ambos - “TRANSCRIÇÕES E INTERTEXTUALIDADES” - “O NEOCLASSICISMO EM BRAHMS E BARTÓK”

30 anos

30 anos

Concerto “BACH-BRASIL” pelos 30 anos de atividades, no mesmo formato do concerto de estreia em 1986.Participação especial: violoncelista Regine Daniels-Stoll

Concerto de Natal no Planetário

Concerto de Natal no Planetário

Em, 2016 inaugurou uma nova série em sua Cúpula, a “Música nas Estrelas”, com obras de Bach e John Rutter, apresentando-se, pela primeira vez, com duas orquestras de câmara distintas: uma de Cordas e outra de Metais e Percussão.